Piedra Parada e Canyon de la Buitrera

Depois de Cochamó, Cerro Lopez e Frey, a vontade de escalada desportiva era cada vez maior. Piedra Parada era sem dúvida o destino ideal.

Localização e História

Na província de Chubut, em plena planície Patagónica e no meio do vale do Rio Chubut encontra-se uma imponente pedra de origem vulcânica de 210 metros de altura. O lugar terá sido em tempo uma caldeira de um antigo vulcão, cuja a chaminé solidificou-se e deu origem a geoformas muito peculiares. Logo depois de cruzar o Rio Chubut, ainda a poucos metros da pedra, entra-se num canyon de 5 km’s, rodeado por paredes de 150 a 200 metros de altura, com um potencial impressionante para a escalada.

Não foi por acaso que a Petzl escolheu esse lugar em março de 2012 para organizar o famoso evento Petzl Rock Trip que deu uma visibilidade mundial ao local e desde de então, mesmo no “fim do mundo”, tornou-se um destino de milhares de escaladores.

Para quem ainda não viu, a Petzl lançou um filme após o evento que motivou escaladores de todo o mundo para vir conhecer esse lugar, nós não fomos excepção.

Nesse mesmo ano de 2012, a fundação Petzl patrocinou a proteção do achado arquelógico, que revelou a presença humana desde há 5100 anos atrás.

Foi feito um acordo entre arqueólogos e escaladores para remoção de algumas vias de escalada que se encontravam na zona de estudo. Em contrapartida, garantiu-se o acesso regulamentado para a prática de escalada em todo o Cañon de la Buitrera, com excepção dos arredores dos achados arquelógicos (setor Alero).

Chegada a Piedra Parada

Dia 07 de fevereiro, saímos de Bariloche rumo a Esquel, cidade de paragem obrigatória para chegar a Piedra Parada para quem viaja de transporte público. É de lá que sai um bus todas as terças e quintas às 09:30 em direção a Passo del Sapo. Muitos escaladores também optam por ir à boleia, que é bastante comum por aqui.

Após comprarmos mantimentos em Esquel, dia 09 de fevereiro partimos para Piedra Parada, foram aproximadamente 3 horas de viagem, mais de metade por uma estrada de terra.

Por volta das 12:30, já com as mãos a suar, chegamos a Piedra Parada, onde já se encontrava o Sr. Moncada, proprietário do camping Establecimiento La Buitrera, com a sua 4×4 pronto para receber a nova fornada de clientes.

Bien Venidos a Piedra Parada
Bien Venidos a Piedra Parada

Existe também a possibilidade de fazer camping selvagem na outra margem do rio, no entanto, optamos por ficar no camping do Sr. Moncada pela proximidade da entrada do Canyon (cerca de 300 metros) e pela infraestrutura básica que oferece: WC’s, água quente dia sim dia não, pão caseiro dia sim dia não, mini-mercado com fruta, queijo, legumes, doce de leite e claro, cerveja. O preço é muito simpático, 35 pesos argentinos (2,10 euros) ao dia por pessoa.

Problema do lixo e da massificação da escalada em Piedra Parada

Optamos por escolher o camping Establecimiento La Buitrera também pelo o facto de gerar um impacto ambiental menor, nomeadamente por ter WC’s, duchas e depósito adequado para o lixo. No entanto, com o passar dos dias constatamos a falta de eco-sustentabilidade do lugar e um “desleixo” para esse tema por quem frequenta o camping, do proprietário e da própria Associação Nacional de Parques.

Para além da grande quantidade de lixo que é produzida por quem frequenta o camping, constatamos que não existe qualquer tipo de separação ou recolha por nenhuma entidade. Simplesmente é aberto um buraco no chão onde é introduzido o lixo (orgânico, garrafas de vidro, garrafas de gás vazias…), é queimado e por fim enterrado. Repetindo-se o ciclo.

Esse lixo permanece a céu aberto por tempo indeterminado, em dias de vento é possível ver sacos de plástico e outro lixo mais leve voando pelo camping. Observámos também muitos animais roedores, tornando-se uma praga. Talvez não seja por acaso que vimos imensas doninhas no camping.

Não somos entendidos na matéria, mas sabemos que em pouco tempo os lençóis freáticos serão contaminados, causando sérios problemas ambientais e à saúde humana, por conta da elevada toxicidade de substâncias presentes na água contaminada.

Esperemos que essa situação não permaneça por muito mais tempo.

A escalada

Ansiosos por escalar, logo depois de armar a tenda, fomos ao primeiro setor que se encontra na entrada do canyon, Ongi Etorri. Decidimos entrar na via com graduação mais baixa para “aquecer”, um 5B FR, mas com uma exposição grande. A Patrícia antes de clipar o topo caiu de forma aparatosa num platô, batendo com as costas na rocha. Os momentos seguintes foram assustadores, parecia grave pela forte pancada. Felizmente, o susto foi maior que a lesão. Após gelo e anti-inflamatório, com algumas dores conseguiu escalar nos dias seguintes.

A vontade era tanta de escalar, que nos 15 dias em Piedra Parada, descansamos 2 dias. Deu para conhecer praticamente todos os setores. Mas é preciso pelo menos mais 1 mês para conseguir tirar o maior partido das vias, aproximadamente 300 registadas no guia.

Durante esses 15 dias, tanto a Patrícia como eu conseguimos subir um grau. Patrícia fez o seu primeiro 7A FR, uma via chamada “Cascaroña”, de 35 metros de pura resistência, dois dias depois conseguiu mais um 7A FR, a “Cuarzo”.

Já nos últimos dias de escalada, resolvi experimentar dois 7B’s diferentes, “Variante Iñaki”, Setor Ortigas e “Pico de Pato”, no setor El Totem, ambas as vias também de 35/40 metros. Já com o tempo limitado, senti que a “Pico de Pato” seria uma boa via para dar mais uns pegues, assim, na quarta tentativa saiu o meu primeiro 7B FR.

Piedra Parada é de facto um ótimo lugar com uma diversidade muito grande de vias, longas, curtas, placas, negativos e bloqueiras, que permitem aos escaladores provarem vários tipos de estilo de escalada e subir o grau.

Saímos da Piedra Parada com o sentimento de dever cumprido, muito cansados e quase sem pele nos dedos.

Lista de todas as vias que provamos:

Nome da Via Grau (Fr) Sector
Algo muy sucio 6a Ongi Etorri
Cen 6a+ Ongi Etorri
La vida em el filo 5b Ongi Etorri
Manos Mágicas facebook-like-icon-3 6C+ El Labirinto
Roctrap 6b El Labirinto
Mikey Mouse 6b El Alero
Cojoanal facebook-like-icon-3 6b El Gruyere
Asado fatal facebook-like-icon-3 6a El Gruyere
Pico de Pato facebook-like-icon-3 7b El Totem
Luciana 6a El Totem
Sombras 7a La Penca
La era del facilismo 6a Cañadón Angosto
La novelita facebook-like-icon-3 6b Cañadón Angosto
No suponer facebook-like-icon-3 6a+ Cañadón Angosto
La bomba de humo facebook-like-icon-3 6a+ Cañadón Angosto
Pajaro Carpintero facebook-like-icon-3 6b+ Ortigas
Chapati com dulce de leche  6c Ortigas
Panza llena facebook-like-icon-3 6c Ortigas
Corazón Contento 6b+ Ortigas
Cascarroña facebook-like-icon-3 7a Ortigas
Concierto de taladros facebook-like-icon-3 6a+ Ortigas
Variante Iñaki facebook-like-icon-3 7b Ortigas
Té de Ortigas  facebook-like-icon-3 6a+ Ortigas
Pety Gourmet Extension facebook-like-icon-3 6b+ Ortigas
Angel Copulador facebook-like-icon-3 7a El Circo
Donde estás Yolanda 6a+ Escorpion
Mama 6a Jardín del Edén
The french cowboy facebook-like-icon-3 6b+ Jardín del Edén
Cuarzo facebook-like-icon-3 7a La Calavera
Amigo del Pan 6a La Calavera
La piedra rolada facebook-like-icon-3 6b La Calavera
Sunny twins1 facebook-like-icon-3 6a+ La Calavera
Sunny twins2 6a La Calavera
Tremble Nahir tremble 6a La Calavera
Sem nome facebook-like-icon-3 * 6b La Calavera

*Via não consta no guia, grau sugerido

Informações úteis:

  • Guia escalada: é facilmente encontrado em lojas de material de escalada em Bariloche, nós encontramos na loja “Tres Picos”.
  • Clima: muito seco e quente nos meses de verão, mas em dias de vento/chuva a temperatura e sensação térmica baixa muito. Aconselhamos a escolher um lugar bem abrigado no camping devido aos fortes ventos.
  • Segurança: uso de capacete é obrigatório, cai muitas pedras e atenção ao tamanho da corda, existem muitas vias com mais de 30 metros. No mínimo levar uma corda de 80 metros.
  • Como chegar: para ir a Piedra Parada desde Esquel em transporte público, recorrer à empresa Jacobsen:
    • Esquel – Piedra Parada: terças e quintas às 9:30;
    • Piedra Parada – Esquel: terças e quintas às 15:00 (aproximadamente).

One Comment

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *